z

Essa palestra é a primeira de três, baseada no livro "O lado oculto das coisas", de Charles Webster Leadbeater, Editora Pensamento. A segunda versará sobre "Como nós influenciamos a nós mesmos" e a terceira sobre "Como nós influenciamos os outros". A título de introdução, transcrevo trechos do livro citado.

OCULTISMO

"Ocultismo" eis um termo cujo sentido tem sido muito mal compreendido. Na mente do ignorante era, até pouco tempo atrás, sinônimo de magia, considerando-se os que se dedicavam ao seu estudo como profissionais da arte negra, que usavam vestes ondulantes, de cor escarlate, cobertas de signos cabalísticos, e que se reuniam em ambientes misteriosos, tendo por companhia um gato preto, a fim de preparar poções ímpias, com a ajuda de evocações satânicas."

"Ainda hoje, e entre aqueles cuja educação se presume acima de tais superstições, persistem muitos equívocos a esse respeito. A derivação da palavra latina occultus devia mostrar-lhes que se trata da ciência do oculto; mas geralmente olham com desdém o ocultismo e como coisa inútil ou disparate, relacionado com sonhos e buena-dicha, com histeria e necromancia, com a procura do elixir da vida e da pedra filosofal.

Os estudantes, que deveriam saber algo mais, constantemente falam como se o lado oculto das coisas estivesse intencionalmente velado, como se o conhecimento dele, que devia estar ao alcance de todos os homens, lhes fosse deliberadamente sonegado, por capricho ou egoísmo de alguns. A verdade, porém, é que nada está ou pode estar oculto de nós, a não ser em razão de nossas próprias limitações, e que para todos nós, à medida que avançamos em evolução, o mundo se alarga progressivamente, porquanto nos tornamos capazes de ver cada vez mais a sua magnitude e a sua beleza."

"A isso pode-se levantar uma objeção: a de que, como é sabido, em cada uma das grandes Iniciações que assinalam o adiantamento do neófito ao longo do caminho que conduz às etapas superiores do progresso, novo acervo de conhecimento lhe é proporcionado. É exato; mas os conhecimentos somente são postos à sua disposição porque ele atingiu um grau de evolução que lhes permite apreendê-los. Não estão sendo recusados ao homem comum mais do que o é, por exemplo, o conhecimento sobre seções cônicas à criança que ainda está aprendendo a tabuada de multiplicar. Quando a criança atinge o nível em que pode compreender equações quadradas, o professor se dispõe a explicar-lhes as regras que a governam. Analogamente, quando uma pessoa está qualificada para receber informações ministradas na Iniciação, é imediatamente iniciada. Mas o caminho único para adquirirmos a capacidade de aprender o conhecimento superior é prepararmo-nos para compreender nossas atuais condições, e ordenar inteligentemente nossas vidas em relação aos fatos que se nos deparam."

"Ocultismo é, portanto, o estudo do lado oculto da natureza; ou melhor, é o estudo da natureza em sua totalidade e não apenas daquela parte mínima que é objeto de investigação da ciência moderna. No presente estágio de nosso desenvolvimento, sem dúvida a maior parte da natureza é inteiramente desconhecida da humanidade, porque esta ainda não desenvolveu senão em proporção insignificante as faculdades que possui. E por isso o homem comum baseia sua filosofia (se é que tem alguma) sobre terreno de todo inadequado; suas ações moldam-se mais ou menos de acordo com as poucas leis da natureza que ele conhece. Conseqüentemente, tanto a sua teoria como o seu comportamento diário são necessariamente incorretos. O ocultista adota uma atitude muito mais compreensiva, porque leva em conta aquelas forças dos mundos superiores cuja ação está oculta ao materialista, e assim pauta a sua vida com obediência ao código integral das leis da natureza, em vez de o fazer considerando-se tão somente a expressão ocasional e fragmentária dessas leis." - continua

"Ao homem que nada conhece do oculto é difícil perceber como são grandes e sérias as suas próprias limitações e como a tudo se estendem. Só há um meio de podermos representá-las adequadamente: é supor uma forma de consciência ainda mais limitada que a nossa, e imaginar em que sentido ela difere. Figuremos que fosse possível existir uma consciência capaz de perceber somente a matéria sólida - sendo para ela de todo inexistentes os estados líquido e gasoso, assim como o são, para o homem comum, os estados etérico, astral e mental. É fácil ver, desde logo, como seria impossível para tal consciência qualquer concepção correta do mundo em que vivemos. A matéria sólida, a única que lhe seria dado conhecer, estaria constantemente passando por importantes modificações, sobre as quais não seria possível nenhuma teoria racional."

PELOS PLANETAS: "A DIVINDADE DO SISTEMA SOLAR"

O estudo do oculto encara o sistema solar, em toda a sua vasta complexidade, como a manifestação parcial de um grande Ser vivente; e todas as suas partes como aspectos dessa manifestação. Muitos nomes lhe têm sido dados; em nossa literatura teosófica foi ele descrito muitas vezes sob o título gnóstico de Logos o Verbo que no princípio estava com Deus e era Deus; mas agora costumamos referir-nos a Ele como a Divindade Solar. Todos os constituintes físicos do sistema solar o sol com sua magnífica coroa, todos os planetas com seus satélites, seus oceanos, suas atmosferas e os vários éteres que os envolvem tudo isso, coletivamente, é o seu corpo físico, a expressão d'Ele no plano físico."

"De modo idêntico, os mundos astrais coletivos não somente os mundos astrais pertencentes a cada planeta físico, mas também os planetas puramente astrais de todas as cadeias do sistema (como, por exemplo, os planetas B e F de nossa cadeia) formam o seu corpo astral, e os mundos coletivos do plano mental são o seu corpo mental, o veículo por cujo intermédio Ele se manifesta nesse nível particular. Cada átomo de cada mundo é um centro através do qual Ele é consciente, e, portanto, não só é verdade que Deus é onipresente, senão também que Deus está em tudo."

"Vemos, assim, que a antiga concepção panteísta se aproxima da verdade, ainda que o seja apenas em parte, pois toda a Natureza, em seus diversos planos, não é senão a vestimenta daquele Ser, existindo Ele, porém, fora e acima de tudo isso, em uma vida que transcende a toda e qualquer definição, e da qual nada podemos saber. Uma vida entre outros regentes de outros sistemas. Assim como todas as nossas vidas estão literalmente dentro d'Ele e são, em verdade, uma parte d'Ele, assim a Sua vida e a das Divindades Solares dos inumeráveis sistemas solares são parte de uma vida ainda maior, a da Divindade do Universo visível. E se há nas profundezas do espaço ainda outros {30} universos, para nós invisíveis, todas as suas Divindades, por sua vez, devem fazer parte igualmente da Grande Consciência Una, que inclui a totalidade." ( fim da transcrição do livro )

Preliminarmente consideremos que o assunto dessa palestra é tratado sob o ponto de vista da Teosofia. Em função dele, consideremos o Universo como composto de sete Planos, dos quais o Plano Físico é o de matéria mais densa. A seguir, o mais denso é o Plano Astral. Após esse, vem o Plano Mental Inferior. Os Planos mais sutis acima do Plano Mental Inferior não são objeto desse estudo. Cada um dos sete Planos é subdividido em sete sub-Planos. Essa estratificação não é como as camadas de uma cebola, mas em função da freqüência vibratória e da rarefação das partículas de cada Plano e sub-Plano. No Plano Físico, poderíamos afirmar que os três sub-Planos mais densos equivaleriam aos estados físicos da matéria: sólido, líquido e gasoso. Os quatro subplanos mais sutis do Plano Físico são conhecidos na Teosofia como 'matéria etérica' e são a base de exibições de "materializações de espíritos", como as que ocorrem no Espiritismo.

Possuímos Corpos em cada um desses Planos do Universo. No Plano Astral, nosso veículo de consciência é o Corpo Astral e no Plano Mental é o Corpo Mental, nossa "mente". A matéria constitutiva de cada um dos sete Corpos é retirada do respectivo Plano; a quantidade relativa a cada sub-Plano nos nossos Corpos está na razão direta de nossa evolução e karma acumulados em várias vidas e nossos hábitos na vida presente. Desta forma, se mantemos pensamentos positivos, nosso Corpo Mental fica constituído de matéria mental mais elevada; se mantemos bons sentimentos, nosso Corpo Astral é mais sutil. Da mesma forma, se mantemos nossos pensamentos menos elevados, nosso Corpo Mental fica carregado dessa matéria mental mais grosseira; se cultivamos maus sentimentos, nosso Corpo Astral acumula matéria astral mais densa, inclusive a do chamado Umbral (pelos espiritistas), que corresponde à nomenclatura teosófica de sétimo sub-Plano do Plano Astral.

Toda e qualquer receptividade de nossos Corpos a influências externas está na razão direta da qualidade da matéria que compõe cada um desses Corpos. Sendo assim, o indivíduo que cultiva maus pensamentos e maus sentimentos ficará mais facilmente sujeito à influência de outras consciências que estejam nessa mesma faixa vibratória. Para ser exato, é um processo de re-alimentação dessas freqüências. Ou seja, um círculo vicioso. Para o indivíduo sair desse círculo vicioso negativo, tem que se esforçar em cultivar bons sentimentos e bons pensamentos. No aspecto físico, podemos citar a dificuldade encontrada por um alcoólatra ou por um toxicômano para se livrar de seu vício. Freqüentemente o indivíduo viciado danifica de tal forma seus Corpos Astral e Mental com tais vícios, que precisará se redimir por várias vidas futuras.

As energias/substâncias que nutrem nossos Corpos vêm sempre dos Planos mais sutis do Universo. A cada "descida" por Plano, essas energias/substâncias ganham densidade e reduzem sua freqüência vibratória. Uma dessas energias/substâncias fundamentais é o Prana. Nossa saúde está diretamente ligada à nossa capacidade de absorver e processar esse Prana, através dos chackras (nos Corpos Mental Inferior, Astral e Duplo-Etérico).

Quando estamos mentalmente em "estados superiores", aumentamos nossa capacidade de absorver essas energias/substâncias. É o caso de "êxtases espirituais", seja numa igreja, seja pela prática de meditação ou num momento "místico". Um ambiente que seja repetidamente utilizado para essas manifestações acaba ganhando/acumulando capacidade de catalisar esses estados. Por exemplo, se o indivíduo não tem o hábito de ir em igrejas, quando vai, sente-se muito bem, devido ao ambiente mental/astral que vibra com energias/substâncias positivas se seus Corpos Mental/Astral, tem alguma quantidade das matérias mais sutis dos sub-Planos superiores de cada um desses Planos. Em contrapartida, o indivíduo que não as tiver ou as tiver em muito pouca quantidade, será menos influenciado por esse ambiente.

No sentido oposto, um ambiente negativo afetará o visitante/morador de forma negativa. É o caso de um presídio, cuja atmosfera mental/astral é carregada de vibrações da pior espécie, refletindo os sentimentos/pensamentos dos que ali vivem. Um matadouro de animais usados na alimentação humana também possui essa energia ruim, derivada do sofrimento desses animais. Um indivíduo mais sensível tende sempre a não se sentir bem num ambiente carregado negativamente na sua atmosfera mental/astral.

.Estudemos agora alguns tipos de influência a que estamos sujeitos

INFLUÊNCIAS PLANETÁRIAS

Como visto anteriormente, recebemos influência dos outros astros do Universo, o que é estudado, em algum grau, pela Astrologia. Se bem que podemos observar que a Astrologia não costuma levar em conta a distância que os astros estão da Terra, para avaliar sua influência. Normalmente só trabalha com o movimento aparente do astro no céu.

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NATURAL

Recebemos constante influência do próprio planeta, tanto da matéria inanimada, quanto da animada. Cada ser inanimado e toda a matéria animada possuem sua contraparte astral e mental, e quando entramos em contato com eles, somos afetados. Um exemplo é um banho de cachoeira, que nos revigora, nos energisa. Quando repousamos sobre um campo florido, fazemos um verdadeiro tratamento de saúde psíquica. É tradição entre vários povos ditos "primitivos" o abraçar certas árvores para receber suas energias. Obviamente que essa energia é de caráter sutil e nos faz imensamente bem.

É por demais conhecida a influência do contato com animais de estimação, especialmente no caso de pessoas com algum tipo de problema de ordem psíquica/neurológica. Se bem que a influência humana sobre os animais ultrapasse largamente a influência deles sobre nós, não podemos desprezar sua influência. O amor de um animal de estimação é muito puro e livre de outros sentimentos. O encontro de um cão com seu dono, durante uma viagem astral. Note-se que a aura do cão toca a aura humana. Há um intercâmbio energético nisso.

iNFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS DA NATUREZA

Além da energia astral e mental da natureza, ainda somos influenciados pelos seus espíritos. Se bem que no contexto da nossa "civilização" a presença de espíritos da natureza é muito menor. Entre eles relacionamos fadas, silfos, duendes, etc. Eles têm uma certa aversão da humanidade, devido às nossas baixas vibrações. Como eles interagem profundamente com o ambiente natural, o fato de nós danificarmos esse ambiente os afasta, igualmente. Existem muitas lendas relatando as relações de humanos com esses espíritos da natureza. Observo que um Corpo Astral ou Mental pode nos aparecer com as mais diversas formas, pois são fantasticamente plásticos.

INFLUÊNCIA DOS CENTROS DE MAGNETISMO

Influência dos centros de magnetismo: Todos os lugares regularmente freqüentados por seres humanos, com atividades específicas, ficam densamente "magnetizados" pelos nossos pensamentos e sentimentos. Alguém que vá visitar um lugar desses acaba sendo afetado pela sua atmosfera mental/astral, se não estiver se protegendo. Os mais sensíveis podem mesmo chorar e/ou sentir sofrimento e outros sentimentos positivos/negativos, de acordo com a natureza do lugar. Um presídio, um hospital, um matadouro, uma igreja, um cemitério, são exemplos típicos. Mesmo quem chegue num lugar desses sem nenhum sentimento/pensamento em particular, acaba passando a tê-los, em virtude da atmosfera do lugar. O lugar em que Buda teria atingido a iluminação encontra-se fortemente impregnado de um magnetismo profundamente espiritualista, fazendo as pessoas terem uma sensação de profundo bem-estar, ao visitarem-no.

INFLUÊNCIA DE CERIMONIAIS E OUTRAS ATIVIDADES COLETIVAS

A influência de cerimônias e outras atividades coletivas: Um evento religioso possui um lado oculto do qual poucos se dão conta. Muitos deles são meios para recebermos certas energias de Planos superiores, que nos estimulam a melhorar, nos purificam. os atos de contrição, de "limpeza/descarrêgo", água benta, defumações, todos possuem uma influência direta sobre nossos corpos sutis, expurgando eles de matéria de vibração inferior.

iNFLUÊNCIA DA MÚSICA E OUTROS SONS

Música é vibração. Me refiro à música harmoniosa, nesse contexto. Quando ouvimos relaxadamente uma música, seu efeito é maior ainda. Nossa mente vibra com ela. Ela polariza nossos corpos sutis. A boa música nos enleva, inclusive espiritualmente. A música sacra tem efeitos extremamente benéficos, mesmo quando não nos ligamos em sua letra. O que vale é o clima gerado pela harmonia dos sons. Naturalmente que sons não harmoniosos geram efeitos não harmoniosos sobre nossa psique. E é um efeito igualmente ruim sobre nossos Corpos Mental e Astral. Se desejamos harmonia mental/astral, devemos evitar nos expor regularmente a tais sons.Influência da opinião pública e de outras pessoas: O preconceito de qualquer tipo gera pensamentos negativos que atingem a vítima do preconceito. A fofoca, o disse-me-disse, a calúnia, tudo isso nos afeta negativamente. Temos que manter uma atitude mental firme contra tudo isso. É a nossa defesa.

INFLUÊNCIA DOS ACONTECIMENTOS OCASIONAIS

Um funeral, uma operação cirúrgica, uma conferência, um comício político, uma sessão espírita, o patriotismo em um evento esportivo ou manifestação de aglomerações populares; tudo isso nos afeta mentalmente e emocionalmente. Podemos ficar "chacoalhados" e mudarmos radicalmente nosso jeito de ser e de agir.

iNFLUÊNCIA DO SERES INVISÍVEIS

A influência de seres invisíveis: Uma das mais notáveis influências quer recebemos é a dos seres invisíveis, especialmente os desencarnados. Como crêem os espiritistas, estamos sempre cercados de espíritos humanos encarnados (viajando fora do Corpo Físico) e desencarnados (normalmente em Corpo Astral). Muitos vivem deliberadamente preocupados em nos influenciar, para o bem e para o mal.

Um alcoólatra é obsediado por desencarnados que foram alcoólatras e diversos seres astrais de baixa vibração, estimulando-o a prosseguir no vício. Em todos os vícios nós temos influências dessa ordem. Nos casos de doentes mentais, também temos influências de entidades invisíveis.

INFLUÊNCIAS DE AUXILIARES INVISÍVEIS

Essa é uma categoria altamente especializada. É composta tanto de encarnados, trabalhando nos seus Corpos Astral e Mental, quanto de desencarnados e seres de outras linhas evolutivas. Interferem de forma sutil e dificilmente perceptível para quem não estiver preparado. São uma das origens de "avisos" e "intuições". Ajudam em tragédias, acidentes, mortes. Auxiliam em eventos religiosos, como nas "sessões espíritas". Observo que quando me referi a problemas mentais, não quis dizer exclusivamente problemas psiquiátricos, mas quaisquer problemas que dominem a mente de um indivíduo.

Para finalizar, deixo aqui as palavras de Sidarta Gautama, o Buda, a respeito desse tema:
"As coisas invisíveis são a maioria"

Palestra baseada no livro "O lado oculto das coisas", de Charles Webster Leadbeater, Editora Pensamento.

 

Free Web Site Counter
hit Counter