Boa noite! Que ela seja de muita paz e harmonia! Gostaria primeiramente de agradecer este momento, de estar aqui e agora, com pessoas que admiro, respeito e tenho o maior carinho. Escolhi este tema pois achei bastante propício para os nossos dias atuais, principalmente no que diz respeito à nossa condição feminina.

O Renascimento do Espírito Feminino 1960 - Betty Friedan - Radicalismo feminino nos anos 60. Dia das Mães - 2º domingo de maio. 8 de março - Dia Internacional da Mulher 1988 - Nas eleições brasileiras deste ano, os partidos se viram obrigados, por lei, a ter 25% de mulheres entre seus candidatos a deputados e senadores.

Ultimas décadas - Evolução no conceito de educação na aceitação de que o menino pequeno, também brinque de boneca, e em conseqüência disso, o novo homem, liberto da couraça patriarcal-militar, só poderá crescer pelo intercâmbio criativo com a energia do princípio feminino, partindo da revalorização dessa energia em si próprio (sua anima) antes de espelhá-las em seus relacionamentos do sexo oposto.

Ditado Popular: "Atrás de um grande homem existe sempre uma grande mulher. Estas atitudes, dentre outras tantas, surgem numa espécie de reabilitação da antiga prática do culto da feminilidade, observada em sociedade, que possuíam o conhecimento da identidade compartilhada entre matéria e energia.

A palavra "matéria" vem de "mater", mãe em latim, o que subtende o processo renovador perpetuado pelo "útero da criação". E aqui nos achamos diante da inexorável roda do tempo e do destino, simbolizados pela Grande Mãe Cósmica ou Mãe Universal, a Grande Mãe ou a Anima Mundi.

Gerações e gerações desfilam-se numa interminável história da intolerância quantos aos aspectos femininos da divindade feminina. Um exemplo clássico foi à caça às bruxas, perseguidas e queimadas, durante Inquisição na Idade Média. Os dogmas religiosos que apontavam a mulher sábia, compactuadas com demônios e crenças masculinas foi mantida por uma intensa propaganda, até que ficasse firmemente fixado nas mentes, que as bruxas possuíam ligações com o diabo, que levantavam tempestades no mar, causavam aborto, heresias e tantos outros males que afligisse a raça humana naquela época.

Em lendas da literatura inglesa, fala-se sobre Tróia, que após guerra, seus príncipes e seguidores refugiaram-se na Europa Ocidental. Lá eles adoravam a Grande Deusa Lana ou Danu e foram se estendendo para a Irlanda, onde ficaram conhecidos como os "Thuatha de Danaan" e "Os Filhos da Deusa Dana". Os latinos adoravam a Deusa Branca (Albina), a primogênita dos Danaids e Cardea: a senhora de Janus, o guardião dos Portais de Hades

Consta em uma passagem do perdido "Evangelho dos Hebreus", que quando Cristo foi enviado à Terra, o Senhor invocou um grande poder chamado Michal, e este poder recebeu o nome de Maria e ela desceu à Terra com Cristo em seu útero e este foi dado à luz. Existem provas que esta doutrina muito antiga, a antiga trindade, o "MA-AB-BEM sagrado", escrita com uma palavra composta "MABEN", a trindade: Mãe-Pai e Filho dos antigos, ou seja: Íris, Osíris e Horus

Embora o Cristianismo tenha tentado substituí-los pela Trindade exclusivamente masculina, os povos do Mediterrâneo sempre almejavam ou cultuavam uma Deusa e a Igreja foi forçada a exaltar e cultuar a Virgem Maria.

Na maioria dos povos, a passagem da criança para a fase adulta comemora-se através de "Ritos de Passagem" e durante estes ritos para se tornarem guerreiros ou aceitos pelas tribos, recebem um espírito guardião, que os tornam guias por toda a sua vida. Essas iniciações incluem purificações, testes de coragem e força, severos e dolorosos.

Ainda existe nos EUA, uma cerimônia indígena denominada "Sundance" - que é um sacrifício de sangue, que requer considerável coragem e capacidade de compreensão do mundo civilizado. Perguntado o objetivo deste ritual masculino do sangue, veio a resposta: "É a única coisa verdadeiramente masculina que podemos oferecer à Terra. A mulher, pela menstruação, faz todos os meses uma oferenda de sangue. Nós homens, não".

"A Bruxaria Hoje", de Gerald Gadner, descreve que as bruxas atuais, secretamente realizam um rito do solstício de Inverno, que "A Sacerdotisa", se posiciona em frente a um caldeirão com fogo aceso, enquanto outras dançam ao seu redor em sentido horário com tochas flamejantes. Elas denominam a "Dança de Roda" ou Yule, e seu propósito é "fazer o sol renascer". "O caldeirão representa a Grande Mãe, o fogo representa a criança solar em seu útero."

"Quando se questiona as razões para essas semelhanças, no fundo sempre se encontra o culto da Grande Mãe de Todos os Seres Vivos", "A Deusa da Lua". Ela já foi conhecida como ISTHAR da Babilônia, ATTAR na Mesopotâmia, ATHER, na Arábia, ASTAR na Abissínia, ATARGATIS na Síria e ASTARTE ou ARTEMIS na Grécia. Pois ela também é a força do amor. Ela é a Grande Mãe de Todos, a provedora da fertilidade e do poder de reprodução. Toda a vida provém dela. Todas as plantações, frutos, animais e pessoas são seus filhos. Ela é a doadora e ceifadora, a Deusa da Vida, Morte e Renascimento.

A Lua é essencialmente feminina, pois através de suas fases, nova, quarto crescente, quarto minguante e cheia, guarda íntima relação com as transformações inerentes ao mundo natural, estendendo-se às flutuações da alma humana, que faz intermediação entre personalidade e espírito.

Citando "Romeo Graziano Filho" - "As qualidades femininas que buscam manifestar-se em nossa realidade, encontram-se disponíveis no interior da alma, sendo que a imaginação (a nossa capacidade mental de visualização, antecipadamente o que desejamos criar no plano material) é o meio para acessá-las. Imaginação, sensibilidade, inteligência, intuição, preservação, receptividade, criatividade e amorosidade são alguns dos valores do universo feminino."

Então vamos vivenciar o tão sonhado equilíbrio dos sexos. Nós, mulheres, não precisamos nos rebaixar, igualar, menosprezar ou duelar com os homens, não precisamos levantar bandeiras, fazer passeatas, queimar soutiãs em praça pública, nem lutar pela equiparação salarial. Devemos sim, nos equilibrar, equiparar, mas como "Seres Portadores da Luz" e colocar em prática o nosso ser verdadeiro, ou toda a nossa essência espiritual, em conjunto, para a evolução cósmica.

Recomendo os filmes "A Encantadora de Baleias" e o desenho animado "Mulan", de Walt Disney, pois retratam com muita propriedade sobre este tema: o renascimento do espírito feminino.

Fonte de Consulta: "O significado da Bruxaria" Gerald Garner. Revista Planeta, edição 312, ano 2- nº 9, 9/98 por Romeo Graziano Filho.

 Free Web Site Counter
hit Counter